quarta-feira, 28 de outubro de 2009

A esperança renasce

Mais de trinta anos após o desaparecimento do lince em Portugal, o dia 26 de Outubro constitui uma data histórica para a espécie.
Azahar (em árabe flor de laranjeira), uma linda fêmea, deu os seus primeiros passos no Centro Nacional de Reprodução em Cativeiro para o Lince-Ibérico (CNRCLI), num espaço de 800 m2 para si criados.


                                                                       Origem da Foto: DN
Este exemplar é proveniente de Espanha, mais concretamente da serra Morena (Andaluzia), onde foi capturada em Janeiro de 2006.
"Estava muito magra e tinha uma vértebra fracturada", conta Iñigo Sanchez, conservador do Zoobotânico. Foi tratada e escolhida para recuperar os linces-ibéricos em Portugal. Espera-se que consiga engravidar, pois até agora estava num meio urbano e stressante que se pensa que impediu a procriação. Azahar percorreu mais de 350 quilómetros desde o Zoobotânico de Jerez de La Frontera (Espanha) até ao centro, localizado junto à barragem de Odelouca (Concelho de Silves). O percurso foi efectuado lentamente para evitar assustar o animal, tendo direito a batedores da polícia.
Todos os pormenores foram meticulosamente tidos em conta. Maria José Coca, a sua tratadora, muito dificilmente conseguiu conter as lágrimas no momento da partida.
O CNRCI está localizado em plena serra algarvia, longe dos olhares indiscretos.
Azahar vai ser monitorizada a tempo inteiro por câmaras de vídeo, com o mínimo contacto possível com os seus tratadores. Vai esperar por dez machos e seis fêmeas que chegarão até dia 1 de Dezembro.
O presidente do ICNB esclareceu que trabalham há dez anos a criar habitats e coelhos-bravos, para que estejam reunidas as condições para o regresso da espécie a Portugal.
Em Espanha, conseguiram-se obter cerca de 50 crias em cativeiro, desde que se deu início a um projecto semelhante. Espera-se que em Portugal o sucesso seja idêntico.
"No futuro, a área de introdução vai desde a Beira Alta até ao Algarve", explicou Rodrigo Serra, director do CNRCLI. Dependendo da adaptação e das condições naturais, espera-se que dentro de dois a três anos os linces estejam reintegrados no meio natural. Só nessa altura será possível ver o lince-ibérico, porque até lá não há visitas.

Para o sucesso deste projecto serão vitais as seguintes medidas:
-introdução massiva de coelhos-bravos (alimento preferencial do lince);
-preservação de habitats através de medidas duras e eficazes;
-formação adequada de todos os habitantes do interior, explicando o porquê da necessidade deste felino na natureza;
-monitorização dos exemplares introduzidos posteriormente na natureza;
-implementação de penas pesadíssimas a todos os que de modo voluntário desencadeiem acções que ponham em causa a integridade de exemplares da espécie (é sobejamente conhecida por todos a atitude da maioria dos caçadores portugueses);
- prémios e ou benefícios muito significativos para todos os gestores de coutos/zonas de caça que fomentem a preservação da espécie, nas suas áreas;
-definição de medidas que permitam diminuír ou mesmo eliminar os riscos de morte por atropelamento (principal causa de morte);
-promoção da espécie junto dos mais jovens (nas escolas), pois estes desempenharão um importante papel no futuro.


As ameaças que pairam sobre o sucesso da reabilitação deste felino são muitas e a tarefa do ICNB/CNRCI, é deveras difícil.



                                                                          O rosto da esperança

Todas as medidas que possam ser decisivas para o regresso do lince a Portugal, contam incondicionalmente com a minha admiração e o meu apoio. A todos os intervenientes, desejo as maiores felicidades e êxito, pois nas suas mãos reside o futuro da espécie em Portugal e no mundo.
Um bem hajam!

S. Ferreira

8 comentários:

J. Lopes disse...

Impressionante, sinto-me orgulhoso de verificar, que a alma Portuguesa existe. E que finalmente se gasta o dinheiro dos impostos numa causa admiravel e justa, devolver a terra o que e da terra.

S. Ferreira disse...

Espero que atinjam os objectivos do projecto, Jorge.

Um abraço.

Anônimo disse...

Caro D. Quixote dos Algarves e Além-Mar,

Em democracia do tipo que a actual Constituição determina, o povo é quem mais ordena, através dos votos.

A maioria dos Portugueses está se cag...... para os linces; e nada com vontade que os coelhos se multipliquem; aliás, o que querem é mais superficies comerciais, onde nos períodos de lazer vão passear, enchendo-as; não irão ver os linces, e ,muito menos, vão deixar de atropelar os que se atravessam, para não gastar o ABS...

D. Quixote devia aliar-se à Manuela e lutar pela suspensão da Democracia Ih ih ih ih :)))
Um abc
A.N. , o "Polvão"

S. Ferreira disse...

Sr. Antero, felizmente ainda há Portugueses que se preocupam com a preservação da natureza. Poucos efectivamente, mas por vezes uma pessoa pode fazer a diferença.
Não é proíbido sonhar.
Mais perturbado fico com a extinção inevitável do famoso kraken açoriano, destino inevitável face à caça que lhe é movida...hihihihihhi
Um abraço.

Sérgio

Cabello disse...

Excelente noticia Sergio.Esperemos que ese proyecto salga bien,y la repoblación del lince en portugal sea una realidad.

S. Ferreira disse...

Hola, Cabello.

Vosotros estan muchíssimo mas delante relativamente a esta espécie.
Garantidamente es gracias a España que el lince ibérico permanece vivo.
La recuperación es mucho lenta, pero la esperanza sigue.
El sur de España esta mucho massificado (construciones) pero todavia existen areas significativas y grandes que permiten la sobrevivência de este magnífico animal, símbolo de la península Ibérica.
Vuestros conocimientos van a ser esenciales para el êxito deste proyecto.

Saludos desde el sur de Portugal y gracias por tu comentario.

Sérgio

Sargus disse...

Viva Sérgio, é de facto um exemplo notável do esforço que tem vindo a ser feito sobre este assunto.

A Reserva Natural Serra da Malcata parece que já esta a aguardar elementos desta raça que à uns anos por lá andou...

Vamos ver, espero que não tenhamos qualquer dia noticias como as da águia lá para os lados de Mertola...

Abraço e Viva ao Linçe Ibérico.

;)

S. Ferreira disse...

Vamos ver o que acontece, Fernando.

Um abraço.

SF